Follow by Email

domingo, 2 de novembro de 2008

Carros da Minha Vida - O meu, já tem 15 anos.

Teria eu cerca de nove anos, quando o meu irmão – mais velho doze anos que eu – comprou o seu primeiro carro: um Fiat 127 de mais ou menos 1976 (ele que me corrija, se estiver errado). Nesse carro a família viajou, conhecendo terras mais distantes. Fomos a Tomar passar uns dias; depois, a Vila Nova de Mil Fontes; passámos por Beja, Évora, Sagres, etc. Férias inesquecíveis. O meu pai também tinha carta, mas não tinha carro. Por vezes, o meu tio emprestava-lhe o seu Renault 4 TLC – mais antigo que o Fiat 127, onde dávamos algumas voltas, mas mais perto.
Anos mais tarde, o meu irmão comprou um Peugeot novo, e deu o Fiat ao meu pai. Este, ainda fez muitos kilómetros nas mãos do meu pai, mas a certa altura, as despesas já começavam a pesar no orçamento. Tomou o meu pai a decisão de comprar um carro novo, numa formalidade em que se iam pagando pequenas prestações e, periódicamente, faziam-se sorteios para ver a quem saía o carro. Já este estava quasi pago, quando calhou no sorteio ao meu pai.
Foi "fiesta" nesse dia 9 de Novembro de 1993. A minha mãe e eu, descemos alvoroçados as escadas para ir ver o carrinho, tão desejado que, logo a minha mãe se encarregou de lhe pôr um nome: Sebastião, o desejado.
O pior, foi o dia em que fui com o meu pai vender o velho 127, que nunca mais encontrei!
Nove anos mais tarde, foi outro carro lá para casa: um Ford Focus. Assim, como eu já tinha carta, e nessa altura deslocava-me todos os dias a Alverca, o Ford Fiesta foi parar à minhas mãos – isto, em Maio de 2002.

Tomei a iniciativa de publicar hoje este “post”, visto no livrete do Ford Fiesta Newport, constar a data de 2 de Nobembro de 1993, e assim, ser hoje o dia em que este perfaz quinze anos.
Com quinze anos, a andar, mantendo todas as suas funções com que foi lá para casa, tendo atingido, há pouco tempo, 150 Km/Hora, e com o motor ainda em bom estado, apesar dos mais de 173.000 Kms. já percorridos.

Comprar carro novo? Só se este deixar de andar e não ter arranjo!

6 comentários:

Anónimo disse...

Corvo:
Esquceste-te do teu carrinho de bebé. Que ingratidão! Um dia destes ainda te dou uma foto dele.
Achei muito giro, lembrares-te destes velhotes: "Botas", "Tijolo","Sebastião". Omito o meu Ford Focus, chamado "Tó", por ser ainda muito jovem.
Beijo para ti, Tap-tap para o Sebastião da
Maria

carla mar disse...

Adorei o teu texto, Vasco :)
Parabéns ao pópó, com desejos de muita estrada... muitos kilometros e dias muito felizes!

Um beijinho, para ti :)

Vasco disse...

Pois é, agora, como moro e trabalho em Lisboa e fica cara a brincadeira, já só sai ao fim-de-semana e férias. O "pára-arranca" da Cidade e a falta de estacionamento são desesperantes. Levei apenas uma vez o carro para perto do meu trabalho - perto do Chiado - e quasi que jurei para nunca mais! Para além de o preço da gasolina estar pela hora da morte, e dos perigos. (Não é para me gabar, mas a maior parte desses perigos são provocados por outros automobilistas que devem ter tirado a carta na Farinha Amparo).

De maneira, que agora só vai passeando de vez em quando, ficando a maior parte do tempo na garagem, abrigadinho da chuva, do frio, e do sol escaldante.

Vasco disse...

Ainda me lembro do meu carrinho de bébé. Se a minha memória me não atraiçoa, foi dado a uma tua amiga chamada Luísa, que o foi lá buscar a casa e quem o entregou foi a minha irmã. Se estiver a fazer confusão, dá-me um desconto: não sei que idade teria nessa altura.

Anónimo disse...

Corvo, parabéns ao Sebastião(1 jovem de 15 anos)!
E estás certo, o tijolo era mesmo de 1976. Um Fiat 127 da primeira série (ainda com a tampa da mala pequena). Matrícula EZ-38-99.
Motor 4 cil em linha 903cc 47HP, pequeno mas nervosinho, com um arranque melhor que muitos carros superiores. Bom em quase tudo excepto a caixa (a 1ª muito teimosa) e alguns pontos fracos de chapa!
João

Vasco disse...

João,

Fiz umas contas malucas, contando com a idade que eu tinha, contando que o levavas para Mafra, e contando que, uma vez me disseste que o carro tinha onze anos. Fiz um exercício de memória e pareceu-me que o Tijolo era de 1976.
Também me lembrava da matrícula; Lembro-me ainda da matrícula do Botas: BS-74-77, se não me engano.

O Tijolo tinha um arranque e desenvolvimento de velocidade muito bons - isso lembro-me bem!

Tinha a ideia que havia uma mudança difícil, mas já me não lembrava qual era.

Quanto à tampa da mala, pode ver-se na fotografia - embora de sofrível qualidade - em que se vê o carro com a mala aberta.

O ponto fraco do Fiesta é a marcha atrás, que, por vezes, não engata. Depois, já tem tido uns problemas na parte da injecção electrónica. Mas de resto, como é caso para dizer, vai andando.