Follow by Email

sexta-feira, 4 de setembro de 2009

Maria Clara


Chamava-se Maria da Conceição Ferreira Machado Vaz e nasceu a 5 de Outubro de 1923, em Lisboa.

Aos vinte anos, entrou na conhecida opereta “Costureirinha da Sé”, onde, segundo um exemplar da revista “Século Ilustrado”, se tornou uma estrela.
De voz cristalina e clara, passou a ser conhecida com o nome artístico de “Maria Clara”.
Cantou de tudo um pouco, passando por marchas de Lisboa e músicas dedicadas a várias terras, tais como: Tavira, Figueira da Foz (Ouvir : http://www.youtube.com/watch?v=ieQHLeMHCr4 ), Esposende, Viana do Castelo...
Entrou também no filme “Três Espelhos”, realizado em 1947, a cantar fado.
(Ouvir: http://www.youtube.com/watch?v=Wwqkq79n_RA )

Maria Clara deixou-nos há dois dias, mas a sua voz fica para sempre!


Post Scriptum: Com voz parecida, há uma estrela da minha vida que canta bem ao seu estilo.

7 comentários:

Maria disse...

Meu Filho:
Fizeste-me chorar, coisa díficil como sabes.
A tua merecida homenagem à "minha" Maria Clara, foi linda, sobretudo de alguém tão novo.
Gostaria que o filho a visse.
Ainda ontem eu e o tio falámos no fado dos "Três Espelhos", um dos preferidos do teu avô.
A minha costureirinha partiu. Deixou-me as suas canções, que com voz já um pouco menos nítida ainda canto. Os versos que o avô fez para mim e que serviram muitas vezes para vos embalar, foram feitos para uma cancão que ela cantava. A última vez que a cantei baixinho, foi ao pé dele já morto. Foi a minha despedida.
Dela, despeço-me com a promessa de que até conseguir, irei cantar: "A Costureirinha" e todas as que sei.
A estrela da tua vida. (até ver)...

Maria disse...

Filho:

Lembrei-me de te mandar a letra do "Fado dos três Espelhos".
Ainda a sei e canto-a às vezes, quando me lembro do avô.

Lá vai:

Há muito tempo,
que essa mulher queria roubar-me
o teu amor, o teu carinho, tudo o que eu tinha.
porém nem ela, nem qualquer outra
pode arrancar-me
esta paixão vive comigo, é muito minha.

Hoje contente, vive contigo, dorme a teu lado.
Passa por mim, toda vaidosa, olha e sorri.
Mas que me importa vive comigo todo o passado
e ela um dia, há-de sofrer, como eu sofri.

Se conseguir, quando cá vieres, canto-a para ti.

Beijinhos
mãe

Corvo disse...

Maria Alcatruzeira,

Apenas uma ou outra troca, mas nada de especial.
Podes ouvir a gravação (muito má) em:

http://www.youtube.com/watch?v=Wwqkq79n_RA

Beijinhos.

Maria disse...

Corvo:
Já ouvi 20 vezes.
A Senhora além de uma voz espantosa, era linda.
Descansou. Talvez a esta hora esteja a cantar para a tua avó.
Beijinho
mãe

Anónimo disse...

Amigo Corvo,

Fazem-me falta os teus comentários.

Saudades
Nemy

Henrique ANTUNES FERREIRA disse...

CC Amigo

Pronto: puseste a tua Mãe com a lagriminha ao canto do olho e eu à guitarra. Penso que o teu santo Pai, à viola. Também eu gostava e muito da voz límpida da Maria Clara. Um àparte: talvez não saibas, era a mãe do Júlio Machado Vaz, médico e sexólogo de nomeada. Uma Senhora.

Ora bem: Tens um desafio na Minha Travessa e tenho a certeza de que vais entrar na cadeia. Cadeia = corrente, nada de maus pensamentos... Obrigadinho.

Abs extensivos ao Papá e Tio Appio (que se ponha bom mesmo devagarinho) e já agora bjs à dona Alcatruzes

Corvo disse...

Antunes,

Já sabia que a Maria Clara era a Mãe de Júlio Machado Vaz.
Agora, não sabia era que me ias pregar esta partida...
Disse-me ontem a Maria Alcatruzeira.
Agora é que me fizeste a folha...

O meu tio e Padrinho Appio, vai melhorzinho.

Já fiz o trabalho de casa; agora, vou publicá-lo. Foi o que pude arranjar.

Um grande abraço!