Follow by Email

segunda-feira, 22 de junho de 2009

Estes pequenos prazeres da vida


Hoje resolvi fugir à rotina da cantina da empresa, e fui almoçar a uma das ruas onde mais gosto de apreciar uma refeição: Rua das Portas de Santo Antão.
Em tempos que trabalhei por lá perto, ia assíduamente ao Comibebe.
Desta vez, fiquei num outro, onde servem melhor. Na esplanada, as sardinhas e o vinho branco sabiam-me pela vida, ao mesmo tempo que me entretinha a reparar mais ao pormenor nas pessoas que passavam. Ao longe, ouve-se o “capa-gatos”; sinal de chuva.
O tempo o dirá...
Vou voltar ao trabalho. Mas antes, ainda vou ao Eduardino.

6 comentários:

Anónimo disse...

Corvo,
Os pequenos prazeres da vida são os melhores.
E tu sabes bem apreciá-los.
Tenho pena de não trabalhar no local privilegiado onde tu trabalhas.
Acredita que te teria acompanhado, e... ainda te desafiava para uma bela ginjinha!
Saudades
Nemy

Maria disse...

Corvo:
Mais uma coisa em que te pareces com o os teus dois Avós: Os pequenos, grandes prazeres. Qualquer dos dois se deve ter revisto em ti. Goza a vida enquanto podes. Só temos uma e é sempre curta.
Beijinhos.
Mãe

Henrique ANTUNES FERREIRA disse...

Ó CC

Komkentão Portas de Santo Antão? Olha, rimalhei. Por ali há muito que apreciar - e que comer. Uma sandes de leitão e um copo de branco frio não é almoço, é entrada.

A crise que se lixe, venha uma lagosta suada. Há por aí tanta gente que sua e não usa desodorizantes, por que bulas não marchará uma lagosta suada?

De preferência uma daquelas coradinhas, vindas da praia, com uns vinte anitos bem desenvolvidos. E que Raquel não leia o Blogue do Corvo...

Bom proveito

Abs

Laura disse...

Moço, bolas, podias ter mandado recado, fazia-te companhia mais as benditas sardinhas...Só de ver a foto do local, a rua, mas que coisa linda,s eria um fugir da monotonia..Para a próxima, visa que quem avisa amigo é (nãos e aplica aqui, mas, cabe bem como frase..Beijinhos querido Nino..laura..

Ahhh e de uma assentada apanhava a Nemy e a ginginha faria bem às duas, que o rapaz deve ser muito novo pás ginginhas!...sem ofensa... hum, que beme scorregava agora...

Corvo disse...

Laura,
30, já cá cantam. Pois não sou assim tão novo para a ginginha. Também não é local que frequente de há pouco tempo. A ginginha de S. Domingos foi-me dada a conhecer pelo meu avô materno - penso - ainda antes de eu fazer 18 anos. Ele pediu para ele uma normal, e uma pequena para mim. Desde então, passei a ir frequentemente à ginginha, mas "mudei-me" há alguns anos para a "Ginginha sem Rival", também conhecida por "Eduardino", pois é uma outra especialidade da casa. (Hoje lá fui outra vez).

Beijo.

Anónimo disse...

Laurinha,
Posso assegurar-te que o nosso Corvo é um excelente companhia para uma ginginha.
Talvez um dia nos juntemos para saborear juntos e com calma a bela ginginha. Quem sabe!
Beijinho
Nemy