Follow by Email

quarta-feira, 1 de fevereiro de 2012

A minha companheira Tina Turra


Por ocasião do meu aniversário, a minha irmã - que na altura tinha uma loja de animais - deu-me esta caturra, em Maio de 1995.
Desde que esteve na loja, até me ser entregue, aprendeu a imitar diversos sons, como o barulho de um carro de mão, para ferro velho que costumava passar à porta da loja, o piar dos piriquitos, etc..
Mais tarde, descobrimos que a "D. Caturra" tinha dotes musicais, pois aprendera a piar parte da raspa e até a assobiar "às garotas".

Por causa das suas cantorias, a minha mãe decidiu dar-lhe o nome de Tina Turra. (Tina, em homenagem à conhecida cantora). Mais tarde, arranjámos-lhe um companheiro que recebeu de imediato da mesma "Madrinha", o nome de Ike Turro. Curiosamente, não tratava muito bem a Tina.

O meu pai ainda lhe ensinou parte de uma ária de Bach, que ainda há dias assobiou.

"Enviuvou" há uns 8 a 10 anos, e por cá ficou, até hoje, dia em que resolveu deixar de assobiar a raspa, deixar de me fazer dores de cabeça com o seu piar estridente, mas de que vou ter saudades.

Mesmo assim, ainda durou 17 aninhos, sempre bem estimada.

1995 - 2012

7 comentários:

jose garrido disse...

Amigo Vasco, esta triste notícia quase me deixa sem palavras.
Eu sei o quanto gostavas dela e ela de ti, o quanto ela se metia contigo e te dava os bons dias.
Não consigo deixar de ouvir, na imaginação, a canção que ela imitava e julgo que perdurará por muito, muito tempo esse som na minha mente.
Tal como dizes, foi muito bem estimada e por esta hora já estará ao pé do Turro.
Muita força é o que te posso desejar, para ultrapassares a perda, de um ser que contigo conviveu tantos anos.

Maria disse...

Corvo, meu filho Corvo:
Fiquei triste com o desaparecimento da minha afilhada. Lembrei-me das vezes que, brincando com ela, a tratava de bêbeda, maluca e, outras coisas que ela não gostava nada. tentava assustar-me abrindo o bico e as asas.
Chegou a hora dela partir. Vou ter saudades da minha maluquinha e barulhenta.
A ti, vai-te fazer falta. Foi a tua companheira desde que tens a tua casa. Tudo acaba, filho. Tudo tem fim. Bichos e homens. Resta-nos a saudade e as lembranças.
Beijinhos grandes da
Mãe

Vasco disse...

Ainda agora estava a estudar uma ligação da tv para a cozinha, e acho que vou arranjar uma coisa alta e estreita para por lá a televisão pequenina, no canto onde ela estava. É que faz-me confusão ver aquele sítio vazio.

Beijinhos do filho Vasco.

Vasco disse...

Tudo acaba, até as caturras.
Um abraço, amigo José.

Elsa V. disse...

Johnnie, normalmente prestam-se homenagens às pessoas que já partiram.
Eu decidi homenagear-te pela pessoas especial que és. Um execelente amigo, um excelente colega, pessoa muito empenhada, orientado para os objetivos, muito inteligiente e possuis um execelente carácter. Um Homem com um "H". Elsa

Elsa V. disse...

Não devemos esquecer aqueles que tornaram os nossos dias mais felizes.
Hoje, é tempo homenagear o meu amigo Johnnie (Corvo). Pelo seu caráter, pela sua determinação, pelo seu engenho e pela sua inteligência.
Tenho muita sorte em ter-te como amigo. Beijinhos

Vasco disse...

Elsa,
Fiquei surpreso e contente por te ver por estas paragens.
Neste momento, o teclado deve estar a entrar em curto-circuito, com tanta baba...
Mas também já tinha uma ideia do que pensas a meu respeito.

Tu também podes dizer que és aquilo a que se costuma chamar de uma "mulher de armas", sempre lutadora. E a provar, pode ser o exemplo de teres chegado onde já chegaste profissionalmente. E isso não se deve só aos estudos, mas também à pessoa em si!

Também te posso dizer que, se te não tivesse como amiga, o "meu mundo" seria mais pobre.

Beijinhos,

Johnnie