Follow by Email

segunda-feira, 19 de agosto de 2013

Fanatismo Político, liberdade e falta de educação

Cara Senhora autora de “O Leão Pelado” (Sr.ª D. Manuela Carvalho), Ainda sem saber sequer se a conheço, ou se por alguma razão, introduziu o meu email na sua lista de distribuição, queira compreender que, com tanto email que recebemos, cujo conteúdo, por vezes, não é do melhor (inclusivé, alguns das quais, contém “software malicioso”) é compreensível que lhe tenha pedido para não me enviar mais mails. No entanto, apenas o pedi, como mínimo de educação que uma resposta a qualquer carta exige. Além do mais, sem saber de onde vinha o email e com pedido de leitura, ainda mais desconfiei. Mas, apesar de me ter chamado “atrasado mental” e me ter dito: “suma-se, seu atrasado mental”, quando não fui eu quem “apareceu”, mas foi a vossa pessoa que me enviou um primeiro mail. Tenho o costume de utilizar uma máxima do meu bisavô: “caia o mundo por onde cair, que eu fico sempre de pé”, ainda que algum receio da minha argumentação a possa impedir de responder a este mail (que não é obrigada). Avante! (Embora eu não seja do P.C.P.) ... Tanto se critica, tanto se fala mal. Mesmo que muita coisa esteja mal, muito cão ladra e a caravana passa. Especialmente, pessoas convencidas da sua grande experiência, ou que querem convencer o outros... Acho graça a uma percentagem significante de pessoas (sem querer generalizar, claro) que mostra-se revoltada contra o estado a que chegou a nação e critica as gerações mais novas – que, advirto, não faço parte – esquecendo-se que essas gerações já nasceram num Portugal decadente e, se a sua educação e instrução deixa a desejar, não será por culpa de ninguém dessas gerações. ( A minha conta mais de uma década que a que V.ª Ex.ª refere). Quem lhes deu a educação foram pessoas de geração mais antiga. A instrução era dada na escola e a educação, em casa. O modelo continuou parecido, mas a mulher saiu de casa e a educação deixou, praticamente, de ser dada em contexto familiar. Bem, mas não é minha intenção estar a atirar culpas para ninguém. Aliás, essas guerrinhas entre gerações têm sido cíclicas desde há séculos e, só pessoas que sejam pouco inteligentes é que poderão continuar a “bater na mesma tecla”. É sabido sobre o dinheiro gasto em grandes “tachos”. Todos sabem disso. Mas há tanta gente a dizer o mesmo, facto tão conhecido e divulgado! Terá a sua razão em mostrar revolta, não o nego. Também me revolto com muito do que se passa neste “jardim à beira-mar plantado”. Fala-se hoje em liberdade. Julgo-a relativa e tenho as minhas razões. De certa forma, há liberdade demais: a liberdade de expressão e a concedida aos actores dos Mass Media é capaz de ser demais. É que – costuma dizer-se – que a nossa liberdade acaba onde começa a liberdade do outro. Depois, confunde-se “liberdade” com “falta de respeito”; as pessoas que fazem parte da geração que lutou pela liberdade devem-no saber melhor que ninguém. Foi necessário um “abrolhos” aos poderosos de então! Mas, a sucessiva perda de valores tem levado a que se confunda “censura” com controlo da liberdade de expressão, levando, por vezes a abusos de liberdade que acabam por chegar a falta de educação. Um conselho: para a próxima, pense no que escreve, e pense que podem haver pessoas menos atrasadas que outras... Enxergue-se! Este post surge como resposta os emails que se seguem: Para todas as pessoas Honestas e dignas, Porquê tantos cortes nas reformas? Certamente os nossos governantes não sabem onde ir buscar dinheiro para pagar tanta dívida (eu diria tanta corrupção). Vai daí que além do crime de cortar em pensões acima dos 600 €, consideram que 5.000 € é uma fortuna! Será, senhores governantes? Ora tomem lá nota, se faz favor. Um reformado com 91% de deficiência, com despesas de saúde na ordem dos 17.000 €/ano (fibrose pulmonar, enfisema pulmonar, 5 AVC's, enfarte agudo de miocárdio, cancro num pé, diabetes e psoríase), o (des)Governo Português tem mais é que lhe roubar 60% do seu vencimento, ganho ao longo de duros anos de trabalho. Sim, porque um trabalhador destes, que descontou uma vida inteira para ter a sua reforma assegurada, e não roubada de forma infame, deve agora contribuir para as despesas que passo a descrever: - 5,9milhões de € para Fundações - 383milhões de € para a família Sócrates - 10 milhões de € para a dívida de Vítor Baía - 8 milhões para carros de luxo - 83 milhões para financiar partidos - 90 mil milhões para o aumento da dívida pública executada por Sócrates (2005/2010) -1 milhão de € para carros do Parlamento +cantinas de luxo+assistentes pessoais para parlamentares. - O medonho polvo GPS - 100 milhões de € desviados do BPP. Punições? Zero!!!! - 1000 milhões em 14 empresas públicas entre 1993 e 2009 (auditoria do T.C.) - 130 milhões de € para a A.R.(oferta de 2 gabinetes+1BMW+1 secretária+1 motorista ao ex-presidente da AR) - 60€/dia para flores da A.R. - 83 milhões € para campanha e sustento dos militantes dos partidos da AR. - Milhões de euros em reuniões (gente muito bem paga por cada reunião) - 13740 organismos públicos (só 1724 apresentam contas; apenas 418 são fiscalizados) - 16 mil milhões €, para a EDP. - 2 milhões de dollars para estádio na Palestina (eles são pobres, mas nós não) - 2,2 milhões de € para o assassinato de crianças (chamados de abortos ou interrupção voluntária da gravidez-não é por mudarem os nomes que os crimes mudam), este montante é apenas referente aos praticados pela Clínica dos Arcos para onde o S.N.S envia estes hediondos crimes pagos por todos nós. - 2,2 milhões € para o IFAP (jantares, viagens, galas e luxos). - 2,5 milhões de € para a reintegração de deputados e governantes. Que vergonha! Afinal não foram servir o País, mas servir-se dele, ou melhor de todos nós contribuintes!!!! - 264 milhões de € para a RTP. - 32 milhões para o aumento dos deputados. Ganham pouco? Têm poucas mordomias? Reformas em plena idade de trabalho? Que vergonha!! - 4,4 milhões de €/ano para a Câmara do Seixal. - 400 viaturas topo de gama para as Águas de Portugal. - 16 milhões de € para a P.R. Mais que as monarquias de Espanha e Inglaterra. Porquê? - 600 milhões de €/concessões rodoviárias, dadas de mão beijada por Sócrates e Paulo Campos aos amigos de uma empresa do universo Mota-Engil. Poderiam ter sido custo Zero. É por tudo isto que nos roubam, agora as reformas? Pensava eu que tudo isto e muito, muito, muito...mais se iria endireitar, fazer justiça, obrigar a repor o dinheiro que tanto ladrão roubou ao nosso País. Porque não vão buscar o dinheiro a estes e muitos outros escândalos que continuam a acontecer? Têm de o ir buscar aos pobres reformados que trabalharam e deram tudo por este País. Pensava eu que ainda valia a pena votar. Em quem? Porquê? Bem-Hajam pela consideração que têm pelo Heroico Povo Portugês. Manuela Almeida Carvalho Para quê chorar-se ou reclamar quando se aprova este sistema e não se quer mudar? Seremos todos parvalhões que imaginam que isto tem a alguma coisa a ver com a crise, a ponto dos outros europeus nos chamarem atrasados mentais à boca cheia? Porque aqueles de quem acima se reclama não só não fazem o mínimo sacrifício, nem qualquer um que a Troika lhes tenha indicado que possa reduzir-lhes qualquer regalia ou ganho. Senão vejam. Têm sempre dito que os sacrifícios eram para todos. Pois bem, nos outros países em crise, políticos e governantes reduziram todos os seus ganhos entre 20% e 30%. É um facto que foi noticiado e pode ser confirmado se se sentirem afectados e tiverem o trabalho de procurar. Em Portugal gozaram-nos e o Coelho anunciou uma baixa de 5%. Se não é abuso e gozo o que é? Os parrecos consentiram. Não obstante, no ano seguinte (2012) constatou-se que em muitas circunstâncias tinham apenas mudado os nomes dos subsídios abusivos que recebem e que tinham sido oficialmente cortados para abono suplementar ou outro nome a fim de continuarem a recebê-los. Verificou-se ainda que, no mesmo ano, afinal, os mesmos alarves corruptos e ladrões tinham recebido mais uma média de €80/cabeça. Ninguém reclamou e este ano receberão ainda mais. Só há uma maneira em todo o mundo para controlar a corrupção e ladroagem de políticos e governantes porque, na verdade eles são como toda a gente — humanos — nem melhores nem piores, com as mesmas qualidades e defeitos, incluindo o ganância e desejo de roubar para eles em lugar de se preocuparem com o país. Tem sido mundialmente provado que o único método de evitar que tais abusos se verifiquem é o de os controlar como humanos que são e de os obrigar a prestar contas ao povo soberano. Está provado que quanto maior e mais completo for esse controlo, menor é o roubo, maior é a democracia e melhor vive o povo, sejam os governos de direita ou de esquerda. Vemos como se passa nos países nórdicos e na Suíça, esta tradicionalmente uma federação de direita, sem subsídios escandalosos, reformas com máximo e formulas de cálculo iguais para todos e não acumuláveis. Querem reformas maiores? Certo, fazem um seguro em plano de reforma e pagam-no do seu bolso a 100%. http://www.rtp.pt/noticias/index.php?article=390426&tm=7&layout=122&visual=61 Porque esperam em lugar de se chorarem? O e-mail acima não vai mudar uma centelha à situação actual. Nem nenhuma das reclamações nos jornais, nos blogs ou que circulam na internet. Pelo contrário, só vai piorar porque enquanto toda a gente continuar a desabafar para aliviar a pressão, eles vão continuando a revezar-se no roubo autorizado e impune. Só tolos imaginarão que eles alguma vez matem a sua galinha dos ovos de ouro sem que a isso o povo os obrigue. A Abrilada de 1974 não foi a chegada de nenhuma democracia, mas apenas uma mudança de hegemonia política. Numa transposição do tempo, vivemos pior actualmente do que antes — mais de 30 anos de atraso sobre os 22 que tínhamos antes, segundo o Eurostat — e nada jamais mudará sem que o povo seja realmente soberano, condição sine qua non para que seja uma democracia. Os ditos Órgãos de Democracia não existem numa verdadeira democracia (informem-se): são mandatários do povo soberano, por ele controlados e que a ele prestem contas. A mais antiga democracia moderna digna desse nome assim procede desde 1291, desde que se escapou ao poder da casa de Habsburgo. ACORDEM, e se querem continuar como se está, tenham um pouco de dignidade, assumam a escolha que continuam a fazer e deixem-se de choradeiras, pois que têm o que querem. https://www.youtube.com/watch?v=3aC4A7bSnXU Minha resposta: Boa tarde. Agradeço que não torne a enviar-me emails. Além de não os ter solicitado, não sei quem e com que intenção me estão sendo enviados. Cumprimentos. O remetente jvasco@mail.tmn.pt Resposta de "Leão Pelado": Lendo a resposta, quem tiver alguma experiência da vida tira facilmente algumas conclusões acertadas. Falta de educação e baixos sentimentos dissimulados sob uma fina capa de verniz, característica de gente ordinária, de princípios rasos. Não é de admirar, pois que é a característica nacional de hoje, nais acentuada nas gerações que em fins da década de 1980 eram considerados os maiores rascas de sempre e de quem se perguntava o que seria do país quando eles substituíssem as gerações mais velhas. Estamos a vê-lo desde os governantes de todos os partidos ao mais simples cidadão. Pelos dois minutos decorridos entre a abertura da minha mensagem e a resposta estúpida, deduz-se a impossibilidade de se inteirar do seu conteúdo e revela-nos a imagem característica do tarado que mata o mensageiro, neste caso não por não gostar da mensagem que nem leu, mas por simples preconceito-bitola que a sua capacidade mental distorce e incapacita de aplicar sem mesmo saber do que se trata. A revelação mais esperada, todavia, é a confirmação de que os outros europeus têm toda a razão quando chamam atrasados mentais aos portugueses, desse que as tais gerações cresceram. Mostra a preferência em se deixarem enganar por uma jornaleiragem que lhe conta historietas de embalar atrasados mentais para proteger a corrupção e a ladroagem por crerem estupidamente que também poderão lucrar com a situação. Tão entupida mentalidade nem se deu ainda conta de que os conglomerados de média são puras ferramentas de propaganda política, económica e comercial. A adopção destas normas junta à impostura das oligarquias políticas, tornaram-se o mais eficiente meio de desinformação no país. Se vem num jornal ou na televisão é quase certo ser mentira, ter sido modificado ou ter um segundo interesse, pelo que as informações de outras fontes são sempre mais fidedignas desde que não sejam propaganda partidária. Quando me lembro que o meu pai nunca usou a ortografia do seu nome de quando foi baptizado, antes do acordo ortográfico de 1911, e vejo agora gente a escrever os seus nomes de forma arcaica por puro pedantismo, o facto só pode merecer um profundo desprezo por quem assim procede, pois que só os nomes das firmas puderam permanecer pela evidente razão do registo comercial. O último acordo, porém, é diferente por ser um crime contra aquilo que define uma ortografia correcta: a etimologia e o uso geral e do povo. Suma-se seu atrasado mental, que com a minha experiência não vai lucrar mais. (coloquei em negrito). Minha resposta: Bom dia. Não fale do que não sabe. E, ao menos, identifique-se! Não lhe pedi nada; Mas, mesmo assim, dei-me ao trabalho de ler. Posso concordar com alguma coisa que diz, mas ensinaram-me de pequeno a não falar com estranhos. Já agora: que eu saiba, não lhe faltei ao respeito. No fim de contas, parece estar a incluí-se nessa "categoria" de gente ordinária de que fala. Só agora lhe respondi, porque bloqueei o seu email e fui ver se tinha recebido um mail no correio não solicitado. Passe bem!

Sem comentários: