Follow by Email

quinta-feira, 3 de maio de 2012

Colisão entre combóios - Não estamos em 2012?!

Ainda na semana passada assisti ao I Encontro Internacional da Sociologia da Segurança - Sociedade, Segurança e Mobilidade, organizado pela Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Lusófona. Entre os assuntos relacionados com segurança, focou-se a segurança no sistema ferroviário. Nessa área, foi comunicado que existe um sistema muito avançado e seguro de cantonamento e que evita acidentes como o que ontem se registou.
Passo a explicar: um combóio parou na estação de caxias, porque tinha havido um atropelamento em Paço de Arcos (aqui terá havido cantonamento); Em seguida, vem outro combóio, que colide com o que estava parado na  estação de Caxias. Se os sistemas de cantonamento costumam ter uma margem de segurança tão grande, o que é que não funcionou?
Segurança Ferroviária? Onde? Ainda para mais, já existem sistemas de cantonamento automático!

4 comentários:

Maria disse...

Corvo:
As máquinas falham, os sistemas também.
Felizmente, o acidente de ontem, não teve grande gravidade.
Lembro-me de, pelo menos 3 acidentes de comboio na mesma linha, em que as consequências foram muito mais graves.
De qualquer forma, dá para perguntar: Onde estava a segurança?
Gostei.
Beijinho
Mãe

Vasco disse...

Sim, mãe.
Esta linha tem dado que falar, quanto a acidentes. Senão, vejamos: a queda do tecto da estação do Cais do Sodré, que causou mortos; a queda de parte do túnel da Gibalta, junto ao farol com o mesmo nome; constantes quedas de catenárias e postes; descarrilamentos; atropelamentos com carros e/ou peões;
Mas deve me estar a falhar um acidente mais grave, pelo menos.

Beijinhos.

Maria disse...

Corvo:
Que me lembre, no do Cais do Sodré, morreram mais de 50 pessoas e muitas mais ficaram feridas, algumas com gravidade. Na Gibalta, creio que morreram 10 e 38 ficaram feridos.
Não é só nesta linha que há desastres.
Na antiga linha da Póvoa do Varzim-Porto, que foi o mais grave diz na Wikipédia:
a Linha do Porto à Póvoa e Famalicão, a unidade de cauda de uma composição formada por automotoras da Série 9300 dos Caminhos de Ferro Portugueses desengata-se do resto da composição, descarrilando e colidindo com um pontão. Este acidente foi provocado pelo excesso de peso devido a sobrelotação, embora também se aponte um possível excesso de velocidade como causa.[13] Deste acidente resultaram entre 91[9] a 102 vítimas mortais. Os feridos foram muitos.
Vi-os passar debaixo da janela do Carvalhido. Eram Ambulâncias, camionetes, carros particulares. Foi uma noite de pesadelo.
Se fores à Wikipédia, estão lá todos.
Beijinhos
Mãe

Anónimo disse...

Daí a tua aversão às automotoras!

Vasco