Follow by Email

sábado, 27 de fevereiro de 2010

PNEUMOULTRAMICROSCOPOSSILICOVULCANOCONIOSIS

É a maior palavra que conheço. Foi-me ensinada por uma amiga que a consegue dizer sem qualquer dificuldade. Curioso é conhecer a palavra. Mas só conhecer e não saber o significado, pode fazer-nos pensar que não é verdadeira. Mas a palavra existe e já sei o seu significado.

A PNEUMOULTRAMICROSCOPOSSILICOVULCANOCONIOSIS é uma doença rara provocada pela inalação prolongada de cinzas e fumos vulcânicos, que provoca a absorção pelo nosso organismo. Pouco mais sei dizer sobre esta doença.

quarta-feira, 17 de fevereiro de 2010

Hospital de Arroios


Começo por dizer que foi a última vez que disse que “para a próxima vou falar disto”. Prometi que falaria sobre o Hospital de Arroios. Enquanto não o fiz, também não quis colocar mais posts. Só agora escrevo porque precisei conferir alguns dados.

A ideia de falar sobre o Hospital de Arroios, surgiu quando, aqui há tempos, passei lá em frente e deparei-me com o estado miserável em que se encontra.


A História (resumida) do Hospital de Arroios

O chamado Convento de Nossa Senhora da Conceição de Arroios foi edificado no ano de 1705, com o apoio da filha de D. João IV, D. Catarina de Bragança e de D. Luísa de Gusmão e foi utilizado para formação de Jesuítas até 1755. Chamava-se na altura Colégio de São Jorge de Arroios.
Após a expulsão dos Jesuítas, em 1759, foi ocupado por freiras franciscanas, ficando então conhecido como Convento de Nossa Senhora da Conceição de Arroios.
Com a morte da última freira, em 1890, o convento ficou devoluto até 1892, ano em que o Estado decidiu que o convento passasse a ser utilizado como hospital, tendo acontecido, mas sob a administração do Hospital de S. José, e como hospital de isolamento para doentes de peste bubónica, cólera, varíola, lepra, tuberculose, etc..
Em 1898, passou a chamar-se Hospital Rainha D. Amélia, tratando exclusivamente de casos de tuberculose.
Só em 1911 tomou o nome de Hospital de Arroios.
Em 1993 fechou portas, e encontra-se devoluto até à presente data.
Contudo, a Igreja do convento ainda funciona.

Sobre o fecho do Hospital, pouco consegui apurar, mas houve um projecto urbanístico para o antigo Hospital de Arroios, que foi recentemente declarado nulo, por os edifícios projectados terem mais dois pisos que o permitido para aquela zona.